#

quinta-feira, 24 de maio de 2018

"Nudez Mortal" de J. D. Robb


uma saga policial que decorre em 2058

J. D. Robb é o pseudónimo de Nora Roberts e "Nudez Mortal" é o primeiro livro da saga mortal. Insere-se no género policial mas também conta a história de um romance entre a tenente Eve Dallas e o bilionário Roarke, o que torna tudo ainda mais interessante (e apimentado também).

Comparo muito com a "onda" de Sandra Brown: crimes, policia, romance, mistério e suspense são os ingredientes chave. Se bem que para mim Brown continua a ser a maior no que respeita a reviravoltas na história. Nos livros de Brown vamos encontrar sempre personagens e histórias diferentes. Nesta saga, os episódios serão naturalmente diferentes, mas vamos ter sempre presentes como personagens principais Eve e Roarke, onde é suposto acompanhar a evolução da relação deles. Tendo em conta que a saga conta com 44 livros (apenas 27 deles publicados em Portugal)...bom, este romance deve ter pano para mangas!!

Eve Dallas é tenente da policia de Nova Iorque. É uma mulher forte e determinada, com um bom instinto que a torna uma excelente profissional, no entanto, há todo um passado que a fragilizou. Este é um dos pontos que torna a história mais cativante e faz a personagem mais interessante ainda. Este primeiro livro não desvenda muito desse passado, mas já revela qualquer coisa que faz querer descobrir mais.
Por sua vez, Roarke é um bilionário irlandês, neste primeiro livro e numa fase inicial é o principal suspeito na investigação do crime que Eve tem em mãos. Maaaaaaas...a magia acontece! É aqui que reside a minha única observação negativa. Acho que o envolvimento deles aconteceu demasiado rápido, principalmente tendo em conta que tratava-se de um suspeito e ainda pairavam dúvidas no ar. Terá sido o instinto (certeiro) a falar mais alto?

Um ponto interessante desta saga é o facto de decorrer no futuro, mais precisamente no ano 2058. Então, ao longo da leitura são notórias muitas mudanças tecnológicas - robots no lugar de empregados, droid para ali, droid para acolá, teleligações, ... - e não é difícil de imaginar que daqui a alguns (muitos) anos existam mesmo. Também existem mudanças de ordem social como a legalização da prostituição e o desarmamento de armas. Ah! E atenção que o livro foi originalmente publicado em 1995, não foi no ano passado nem há dois nem há três anos, foi há 23 anos, o que revela ainda mais o lado criativo da autora.

E uma pequena curiosidade em relação à origem do pseudónimo. As iniciais "J. D." estão relacionadas com o nome dos filhos da escritora - Jason e Dan, enquanto que "Robb" é a forma abreviada de Roberts.

Em relação ao desfecho, confesso que aí a pouco mais do meio do livro palpitava-me bastante quem seria o culpado e não me enganei. No entanto, o final foi mais além do que isso e aí entra o mérito da escritora que proporcionou uma história mais densa do que seria de esperar.

O livro lê-se rápido, tem os ingredientes certos para prender o leitor e apesar de meter crimes J. D. Robb consegue proporcionar momentos leves e bem dispostos, com um toque irónico que aprecio bastante.

Portantos, meus fofuxas e minhas fofuxas, se gostam de livros que misturam investigação criminal, romance (com boas pinceladas de erotismo), mistério e bom humor, podem começar a ler esta saga que não se vão arrepender. De momento, virei-me para a Nora Roberts versão fofinha (sem crimes, sangue e cenas assim) e estou a ler um romance ("Começar de Novo"), mas pretendo dar continuidade à saga de J. D. Robb.


8 comentários:

  1. Já li quase tudo da Nora Roberts mas acreditas que ainda não li nenhum desse pseudónimo!?
    A ver se é desta!
    Beijinho
    Cris

    www.lima-limao.pt

    ResponderEliminar
  2. Sem ofensa Bruna mas não acho que sejas de todo a pessoa indicada para dar sugestões de leitura, tens gostos literários básicos e duvidosos. Mesmo assim acho que deves contunucoa ler...antes ler fracos livros do que não ler nada. Mas deixa-te disto. A sério.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Opiniões educadas, zero ofensas!
      Imagino que na tua estante conste de Leon Tosltói, Vladimir Nabokov, Oscar Wilde e Eça de Queirós para cima, mas sempre podes deixar aqui as tuas sugestões mais astutas e inquestionáveis.

      Reparo nº 1: não existem livros fracos.
      Reparo nº 2: vou continuar a partilhar as minhas leituras. =)

      Eliminar
  3. Adoro os livros da Nora Roberts, mas este por acaso nunca li! :P

    amarcadamarta.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  4. Tenho que confessar que nunca me senti muito tentada a ler Nora Roberts. No ano passado, salvo erro, li uma coleção de contos inéditos dela, muito voltados para o mundo fantástico, e não fiquei propriamente fã. Ainda assim, este despertou-me curiosidade, porque adoro livros sobre crime e mistério :)

    ResponderEliminar
  5. Fiquei curiosa com este livro,...
    Beijinhos,
    Espero por ti em:
    strawberrycandymoreira.blogspot.pt
    http://www.facebook.com/omeurefugioculinario
    https://www.instagram.com/marysolianimoreira/

    ResponderEliminar
  6. Bem se tem assim tantos livros nem lhe vou pegar não vá eu gostar e depois ter que os comprar todos ;)
    Mas que fiquei curiosa, tenho que confessar que fiquei.

    ResponderEliminar
  7. Não conheço esses autores, ando numa onda de Mary Higgins Clark ;)

    ResponderEliminar