#

terça-feira, 14 de novembro de 2017

Mais partilha de sentimentos profundos

Depois da Georgina destroçar o ego de uma pessoa, vamos falar sobre destroçar corações. Pois que com o aproximar da época natalícia as marcas começam a lançar as suas campanhazinhas, as suas promoçõezinhas e umas ofertazinhas. Sim, tudo corrido a "inhas" e há delas que nem essa categoria mereciam.

Eu cá sou daquelas que crê na teoria do "ninguém dá nada a ninguém", mas a verdade é que não há como ficar indiferente às mensagens e mails que dão conta das ditas campanhas/promoções/ofertas. Uma pessoa fica logo com tiques nervosos, chega mesmo a ouvir vozes interiores "aaaaanda, aproveita e vai lá comprar aquele casaco mega fofo, quiçá umas calças uma camisola uma blusa uma mala umas botas outro casaco... ", enfim, é todo um tormento. Mas, meus amigos, meus caríssimos amigos, lamento informar mas um voucher de 40€ em que para isso tens de gastar 200€ (!!!) e só o podes usar numa nova compra e, atenção, com um valor mínimo de 40€, não é uma oferta nem aqui nem na China. Basicamente... É GOZAR COM OS POBRES!! 
Ahhhhhhh mas esperem, se fizerem compras de 75€ - sim, 75€, não é 74,99€, nem 71€, nem 66,78€, porque esses valores não justificam ofertas suas pindéricas, tem de ser no mínimo 75€ e não bufam - também ganham um voucher. Só não é no valor de 40€. É de 15€. E não ser de 5€ é uma sorte.
A cereja no topo do bolo é o facto de clientes regulares terem um misero desconto de 10% de quando a quando e almas que estão sem comprar durante anos terem direito a 25% de desconto num artigo. Fico fuck f*d*d*, pois claro que fico. É assim que dão valor a quem já gastou dinheiro que dava para manter as famílias todas do prédio da Caixa um ano inteiro?!

E sim, estou a falar da Salsa, e não, esta "oferta" de Natal não é propriamente prática nova da casa, mas todos os anos uma pessoa fica com aquela esperançazinha de receber uma mensagem com uma oferta de Natal digna de fieis clientes do tipo "Comece a preparar o Natal! Receba até 200€ em voucher em compras de 40€, p/utilizar numa próxima compra. Válido até 24/12". Isto sim, é que era de valor. Fica a dica, hã.


Legenda: Salsaódependente de coração destroçado, mas com um casaco novo mega fofinho e quentinho.

segunda-feira, 13 de novembro de 2017

Pausa no Ramadão para partilha de sentimentos profundos

Pessoas que acabam de parir* e ficam com este ar fresco e fofo...



...deviam ser espancadas!!!
Ninguém merece levar com este ar de "fui ali ao pão e voltei". Sei que não é difícil, mas eu quando acordo não consigo ter um ar tão apresentável como este. Na verdade, é quase como se tivesse acabado de parir* um gorila.
Pronto, é isto.


* sei que era bem mais bonitinho e gracioso escrever "dar à luz", mas a rapariga também não é nenhuma lâmpada. Bom, vocês já sabem o que a casa gasta. Aquele nível gostoso de parolice. Ou já se esqueceram?!
Inté. 


quarta-feira, 18 de outubro de 2017

Foi o melhor que se arranjou #272


Psiu.
Ainda está aí alguém?
Ou foi tudo embora?
Espero que não. O blog continua em águas de bacalhau e...confesso que há uma parte da minha vida que não está a deixar pegar nisto com a alegria e boa disposição a que vos acostumei. Mas...isto vai ao sitio. E enquanto vai e não vai sempre podem ir matando saudades nas redes sociais (porque eu sei que são muitas, wUuUAahHh), já que por lá tento sempre partilhar algo (quanto mais não seja...panquecas, ah! ah! ah!).

E hoje, só para dar um "alô" à blogosfera e dizer que ainda sou viva, trago um look. Coisa simples, mas eficaz. Jeans e camisa branca, who else? Aquelas peças básicas e essenciais num guarda-roupa e que nos salvam sempre num momento de crise de armário. Depois, temos o lenço. Ai "O" lenço! Ou muito me engano ou tenho um transtorno obsessivo compulsivo no que diz respeito a compra de lenços. Quem diz lenços diz necessaires, mas esses não são agora para aqui chamados.

Adoro lenços. Não sei se perceberam, eu ADORO lenços (perceberam? =P). E diga-se que são provavelmente dos acessórios mais versáteis que podemos ter e que fazem toda a diferença num look. Não os considero tendência porque para mim são mesmo um dado adquirido de estação para estação. Há várias formas de os usarmos e dão aquele twist, por isso, lenços nunca são demais (eu a arranjar desculpas para os 59 lenços que habitam lá por casa).


P.S.: sei que há aqui quem leia o blog desde sempre, quem não deixou de ler um único post que seja e são mais de 1600, que há pessoas que se afeiçoaram e que me vêem como uma amiga ainda que virtual, digo mesmo que há quem sinta um carinho enorme por mim, sei, ainda, que este blog não sendo tudo, mostra muito do que sou e sempre partilhei momentos importantes da minha vida... Mas...para as questões que me têm feito ultimamente, neste momento, só posso dizer: tudo a seu tempo. Sei que não vos devo nada, porque não devo mesmo, no entanto, sinto que vocês merecem uma palavra, muito pelo carinho que me fazem sentir e que nunca me deixou indiferente. Sei, também, que irão compreender e respeitar o meu tempo. 

segunda-feira, 2 de outubro de 2017

Foi o melhor que se arranjou #271


Outubro, Outono e, no entanto, está uma brasa que faz lembrar o Verão em pleno mês de Julho. Quanto a vocês não sei, mas eu já só penso em botas e casacos e cenas assim. As sandálias ainda estão à mão de semear, mas pezinho ao léu, minhas amigas, só para o ano. Apesar do calor, Outubro é Outubro e já não me imagino de pernocas e pezinho ao léu. Adoro o Outono e esta fase de transição, pelo que para mim é super fácil desligar-me do Verão e começar a sonhar com roupas quentinhas, sofá, manta e lareira acesa.

A par disso, temos a nova colecção a acenar à malta e a perturbar a alma de uma pessoa do tipo "oh para mim aqui tão gira, leva-me para casa jááá" e depois, claro, uma pessoa fica nervosa, pois claro que fica. E sim, caso ainda não tenham dado conta (duvido, já estamos em Outubro), este Outono/Inverno trouxe coisas mesmo giras e tendências que gosto bastante. Assim de repente, estou a lembrar-me do xadrez (aquele blazer lindão da Zara não me vai escapar), das bolas (eu gosto de bolas?!), do estilo boyish e o militar-rock, enfim, haja dinheiro (porque isto de ser pobre e ter bom gosto não tem jeito nenhum, ah! ah!...ah!...não tem piada).

Parece que outra das tendências são os kitten heels, o género de sapato que mostro neste look, com salto pequenino e estreito. Não são tão "tchanan" como o belo do stiletto, mas são igualmente elegantes com a vantagem de serem bem mais práticos. Foi a minha primeira compra da nova colecção a par com uma mochila verde tropa super gira.

sexta-feira, 29 de setembro de 2017

Cinco dias da semana, cinco looks #22

E para matarem só mais um pouquinho dessas saudades aqui da Gata, fica o registo dos looks desta semana que vou partilhando habitualmente no stories do Instagram.

Bom fim-de-semana!


quinta-feira, 28 de setembro de 2017

Os 30


Não tarda está um 31 à porta e eu ainda a falar dos 30. Mas não tenho culpa, minhas amigas, este post até era para ter saído no dia do meu aniversário, no entanto, trocaram-me as voltas e ósdispois ausentei-me destas bandas. Porquê? Simplesmente porque não me apetecia escrever.

Não tinha assim nenhum plano especial de corrida para o meu dia, a não ser mudar de visual. É sempre uma boa forma de registar mais um ano de vida e é um bom lavar de alma. A ideia era passar a manhã a vegetar na cama até à hora marcada no cabeleireiro e depois de devidamente arranjada e almoçada, chegar a casa e sentar-me em frente ao portátil e escrever um pouco. Tinha todo um discurso pensado (a tender para a melancolia, confesso) que hoje não faz sentido escrever. Pelo menos não agora. Mais à noitinha previa ir até à Festa do Leitão espalhar magia e pronto, estaria um dia passado.

Nunca fui pessoa de festejar aniversários, nem nunca fiz grande questão disso. Tirando os aniversários enquanto criança, penso que só festejei duas ou três vezes. Não sei ter um bando de pessoas a olhar para mim e a cantar os parabéns, não sei receber prendas sem ficar corada e com ar aparvalhado, basicamente, não sei ser o centro das atenções. E embora o virar de década pedisse algo com alguma pompa e circunstancia, não me apetecia mesmo fazer nada em especial uma vez que o espírito era tudo menos festivo.

Mas como disse no inicio, trocaram-me as voltas. E quando cheguei a casa tinha alta festa surpresa à minha espera. Era demasiada coincidência a minha pessoa chegar e começar a ouvir precisamente o "Despacito" vindo das traseiras, mas sempre pensei "bem, os vizinhos foram dar um mergulho e estão com música ambiente" não seria a primeira vez. Mas não, eram mesmo eles, uma cambada que andou a conspirar nas minhas costas. Escusado será dizer que fiquei para morrer (já disse que não sei ser o centro das atenções, não já?), mas com a certeza de que os amigos (aqueles com "A" grande) são a família que escolhemos e vão estar sempre "lá" quando mais precisarmos.

E pronto, não há volta a dar, os trinta chegaram. Ficaram para trás os "bintes". Talvez a década mais importante na nossa vida enquanto pessoas, enquanto seres em crescimento. A década que nos lança para a vida e que nos obriga a encará-la de frente, olhos nos olhos. Deixamos de ser crianças/pré-adolescentes, a nossa preocupação maior deixa de ser saber a que horas dá a "Lua Navegante" ou saber o estado do tempo para decidir o que vestir no dia seguinte e passamos a ter preocupações com "P" grande. É a década das decisões. Não que as outras não o sejam, mas talvez seja nos "vintes" que tenhamos de tomar as maiores decisões, aquelas que condicionarão áreas importantes do nosso futuro. Não que a vida seja assim tão linear e que a qualquer momento, seja aos 30, 40 ou 50, não sejamos obrigados a tomar também outras importantes decisões, mas...os vinte são os vinte. Década das grandes dúvidas, incertezas e receios. Década de dar cabeçadas na parede e de aprender/crescer com os erros. Década de conquistas e de perdas. Década onde afirmamos cada vez mais a nossa personalidade. Década dos amores e desamores, das amizades e desamizades. Década onde realmente percebes que o mundo só é cor-de-rosa nos contos de fada. Onde cada vez tens mais a certeza que anda meio mundo a f*der meio mundo. Década onde tudo acontece, basicamente.

Agora...agora é abraçar a maturidade e serenidade dos trinta, sem grandes expectativas (sabe melhor sermos surpreendidos) e sem atormentar muito com a rápida passagem do tempo (tentar), já que isto a partir dos 25 parece que foi sempre a abrir, pelo menos aqui para os meus lados. E é ver se isto de ser "trintona" é assim tão bom como dizem.


P.S.: Peço desculpa por mais uma ausência e agradeço do coração por se mostrarem sempre aí desse lado à espera de noticias minhas. 

segunda-feira, 4 de setembro de 2017

Foi o melhor que se arranjou #270


O Verão já vai quase no fim, mas ainda venho a tempo de dar o ar de minha graça com aquele que foi o padrão forte da estação: o padrão gingham ou vichy. Quadradinhos pequenos ou maiores, a cores ou a preto e branco, este padrão foi o furor da última temporada. É característico dos anos 50/60 - quem se lembra do vestido de noiva de Brigitte Bardot? -, mas voltou em força e tende a resultar super bem numa variedade de looks. Pessoalmente, não gosto de ver este padrão em vestidos. Digamos que cria um certo ruído visual, pelo menos aos meus olhos. Ah! Claro queeeeee, enfiadas numa peça deste padrão também corremos sempre o risco de ouvir piadolas como "estás de bibe?" ou ainda "boa toalha de mesa". Ah! ah! ah! que engraçadinhos! :D 

domingo, 3 de setembro de 2017

Retomar o bom hábito de ler


Uma das coisas boas do Verão (ou das férias, vá) é o poder dedicar-me um pouco mais à leitura. Na realidade, não é bem dedicar um pouco mais, mas sim muito mais já que ando quase um ano inteiro sem pegar num livro. Os fins-de-semana de chuva bem que são bastante propícios a uma boa leitura e não há nada melhor do que preguiçar no sofá em frente à lareira enquanto se devora uma boa história, mas espremido, espremido, devo ler umas cem páginas durante o ano. "Então e antes de deitar não dá para ler um pouquinho todos os dias?" perguntam vocês. Dar até dava não fosse eu pessoa de chegar à cama e aterrar logo, qual Bela Adormecida. Sucede que a minha rotina diária deixa-me um pouco exausta - é o trabalho, é a minha actividade física, são as lides domésticas, é o blog que também pede tempo de dedicação -, pelo que chegada a hora de descansar é para isso mesmo, fechar os olhos e "boa noite, até amanhã". Tem noites que ainda tento, mas basta ler duas/três frases para começar a revirar os olhos de sono.

Mas adoro ler e adoro a sensação de ter um livro nas mãos. Sempre que vou ao shopping (para além da Zara) tanto a Bertrand como a Fnac são lojas de paragem obrigatória. Adoro observar aquelas estantes repletas de livros e sentir aquele cheirinho a papel que ainda não foi lido. Pegar naqueles cujo o titulo me chama mais a atenção e ler a contracapa. Daqueles rituais que muito prazer me dá. Mas dizia eu que adoro ler. Acho que é muito pela capacidade de nos fazer abstrair do mundo à nossa volta e por estimular a nossa imaginação. Gosto de mergulhar de cabeça nas histórias, de construir os cenários, de dar um rosto às personagens e num ápice eu própria sinto que também sou personagem do livro. Enquanto lemos, acabamos por viver a história que nos estão a contar e é um momento nosso, de relaxe, de paz interior.  

sexta-feira, 1 de setembro de 2017

Estou quase a fazer anos e, atenção, são 30

Não é todos os dias que se faz trinta anos. Que se deixa os "bintes" para todo o sempre e que se muda de década. E eu só me pergunto: trinta, como é que vocês chegaram (ou estão a chegar) tão rápido? Bom, deixemos esta parte da crise existencial para outro dia e vamos ao que interessa: wish, wishWISHLIST. Simmmm, vocês que me desculpem mas trinta são trinta e eu aviso já que não me vou poupar nos pedidos, o que não significa, necessariamente, que vá ter sorte alguma, mas, senhores, sonhar não custa e quem não chora não mama e eu tenho de fazer uma wishlist à altura do acontecimento (já disse que são trinta?!). Como tal, não se assustem com o tamanho da lista, a ideia até era destacar 30 coisas susceptíveis de me serem ofertadas e de ficar nas nuvens, mas achei por bem ficar-me pela metade.
E vocês aí, simmmmm, vocês que estão a ler estas palavrinhas não se ponham ao fresco, hã!! Já vos aturo há quatro anos, pelo que mereço uma boa prenda pelos meus trinta anos de vida. Uma vaquinha entre todas não custa nada. Just saying.


quinta-feira, 31 de agosto de 2017

Bolas, bolas e mais bolas!

Como vocês se portaram bem, e até são umas queridas, e eu até ando em falha para convosco e, acima de tudo, temos de ser umas pájoutras, aqui está uma breve compilação do que podem encontrar por aí de giro às bolinhas. Preparem-se para uma overdose de bolas.
De nada! :D


1- Guarda-chuva Zara (aqui) nota: a Mango também tem um mas branco às bolinhas pretas.
2- Lenço Zara (aqui)
3- Vestido Zara (aqui)
4- Vestido Uterque (aqui)
5- Vestido H&M (aqui) nota: a loja tem mais um ou dois vestidos giros neste padrão.
6- Blusa Zara (aqui)
7- Vestido Zara (aqui) nota: consta na minha wishlist de aniversário a apresentar amanhã :D.
8- Vestido Zara (aqui) nota: já cá canta e é super giro.
9- Casaco Uterque (aqui)
10- Sapatos Zara (aqui)
11- Blazer Zara (aqui)
12- Blusa Zara (aqui)
13- Top Zara (aqui)
14- Bandolete Zara (aqui)
15- Blusa Zara (aqui)
16- Vestido Zara (aqui)
17- Camisola H&M (aqui) nota: o pormenor nas costas é bueda giro, vale a pena ver.
18- Top H&M (aqui)
19- Calções Zara (aqui)



quarta-feira, 30 de agosto de 2017

O escândalo



Todos disponíveis numa Zara perto de si.

Só Deus pode julgar, mas quem é que ousa enfiar isto nos pés?!



terça-feira, 29 de agosto de 2017

Cenas que não interessam a ninguém*

Irmã da Gata anda em viagem, mais precisamente, num interrail com os amigos escuteiros**.
Gata pergunta à irmã se está a correr tudo bem.
Irmã da Gata diz que sim apesar de não fazer cocó desde que foi (já lá vão cinco dias).
Gata responde à irmã "a sério?! deves andar com merda até ao pescoço".


* eu avisei.
** será que aceitam lobitos com 30 anos?

Foi o melhor que se arranjou #269


Parecendo que não, estilo é muito mais do que seguir tendências. Trocando por miúdos, estilo passa por escolher a nossa roupa em função de nós mesmas e de acordo com o que nos faz sentir bem, e não em função do que se diz ser moda. E todas temos a nossa própria "assinatura de estilo", podemos é andar um pouquito desencontradas, principalmente, com esta coisa de seguir modas só porque sim.
E agora vocês pasmam "hum? oi? 'tá falando o quê mesmo? assinatura de estilo?!". Ora... Nunca vos aconteceu alguém chegar ao pé de vocês e fazer um comentário do tipo "epaa, isto é mesmo a tua cara"? Ou "vi uma peça numa loja e lembrei-me logo de ti"? Comigo já e com vocês acredito que também, e isso significa que temos o nosso estilo bem definido de forma a que outras pessoas o reconheçam facilmente. Resumindo: a nossa "assinatura de estilo" é composta pelas peças com as quais nos identificamos e que sabemos que são as peças que funcionam sempre connosco. Mais, são aquelas que nos fazem sentir bem e confiantes, que é o fundamental. Por exemplo, o meu guarda-roupa podia estar a rebentar pelas costuras com blazers, biker jackets, jeans, t-shirts com mensagens, roupa e acessórios às bolinhas, lenços, sapatilhas, biker boots e alguns pares de salto alto que eu estaria nas minhas sete quintas.

De facto, tenho algumas peças de referência com as quais me identifico bastante, mas hoje vamos falar de bolas. Eu A-DO-RO bolas gente. Vá, não sejam preservas, suas mentes porcalhonas, estou a falar do padrão às bolinhas ou polkadot (só para parecer mais chique). É o meu padrão favorito desde sempre (não é por acaso que a parede do meu closet é às bolinhas). Logo a seguir vêm as riscas e só muito depois o floral. Por acaso, agora que penso, não sou pessoa de florzinhas e cenas assim, à excepção do meu casaco e do meu hoddie lindo e fofinho ambos da Adidas que adoro de paixão.
Mas bolas é mesmo a minha cena (talvez tenha sido pin-up noutra vida). Mal avisto qualquer coisa às bolinhas numa loja, taauuu, lá vou eu de olhos em bico e passo acelerado quase a atropelar pessoas para pegar e ver. É bom de ver que a saia que vos mostro hoje foi amor à primeira vista. Nela sinto-me tipo a Carrie Bradshaw com os seus Manolo Blahnik nos pés. Bom, não sei o que é ter uns Manolo nos pés (duvido que alguma vez saiba), mas desconfio que vá dar ao mesmo.
Como sou uma pirosona do pior, não resisti em rematar o look com o meu turbante também ele às bolinhas. Ficou aqui todo um pandã que gostei bastante.

E vocês, se se portarem bem e se não me chamarem pirosona do pior (wuuuaaahhhh), pode ser que vos prepare um post com algumas peças giras às bolinhas que andam por aí nas lojas, porque sim, apesar de intemporal diz que é o padrão que vai arrasar nos próximos meses.

segunda-feira, 28 de agosto de 2017

OH, MONDAY! #22

Para festejar o regresso ao trabalho (eu disse festejar?!?!), regressam também as sugestões de looks assim mais arranjadinhos a pensar precisamente na nossa semana de trabalho. Um "quase-all-black" por forma a fazer o luto das minhas férias, mas com um toque de cor nos pezinhos para não esquecer que ainda é Verão e há fins-de-semana que podem ser bem aproveitados (ou não).
O contraste do amarelo-lima no preto é top, com a pele morena ainda melhor. O lenço às bolinhas é o remate final. Não me julguem, mas se há acessório que adoro são os lenços e se há padrão que adoro são as bolinhas e sim, hoje vou às bolinhas (só para desviar as atenções do meu ar de poucos amigos).

Macacão H&M (aqui) | Lenço ZARA (aqui) | Mala LANIDOR (aqui) | Sapatos ZARA (aqui)

Boa semana!

domingo, 27 de agosto de 2017

Já lá vão quatro anos (e quatro milhões)!

Há quatro anos, quando decidi criar este blog, a ideia era fazer disto um hobbie. Mas um hobbie assim mais para o especial. Uma espécie de segunda casa, digamos. Ter um espaço essencialmente meu onde me divertisse nas horas mais vazias. Onde pudesse descomprimir depois de um dia de trabalho. Onde pudesse interagir com outras pessoas (aka aparvalhar). Ter um espaço para partilhar o que bem entendesse, na grande maioria das vezes futilidades várias, mas para coisas sérias já basta a vida.

O entusiasmo cresceu quando dei conta que não era apenas eu que me divertia com este espaço. Que havia tantas e tantas outras pessoas que gostavam do que partilhava. Que muitas vezes este blog não era só o meu escape, mas também o de outra pessoa. Que fiz sorrir alguém num daqueles dias mais negros. Que fiz companhia nos dias mais solitários de outra pessoa.
O entusiasmo cresceu quando dei conta que do outro lado havia sempre alguém à espera de algo meu. Que isto não é só um blog. Que é possível criar afectos mesmo que através de um ecrã. Daí não ficar nada indiferente quando sentem a minha ausência e quando "reclamam" por noticias minhas.

Mas a vida é feita de fases. Umas melhores e outras piores. E sei que neste último ano de blog estive bastante ausente. Porque surgem novas prioridades, porque o tempo não estica e não dá para estar em todas as "frentes" a 100% como eu gosto, por cansaço, por...porque só me apetece escapulir sorrateiramente pela porta das traseiras e depois correr, correr e só parar na Pensilvânia (forma indirecta e parva e fofinha qb de dizer que sinto-me na merda, pronto, está dito). Este blog não é tudo o que sou, mas é muito do que eu sou. Será sempre assim. Pelo que é natural que acompanhe os altos e baixos da minha vida.

O estaminé passou a barreira dos quatro milhões de visitas sem que tivesse dado por ela. Quatro anos e quatro milhões. Não são na conta bancária, não são cinco, seis, sete, ..., vinte milhões, mas são os meus quatro milhões e acho que, para além do agradecimento (OBRIGADA ❤), merecem toda a minha atenção e força para continuar algo que tanto gosto e que me orgulho.
Da minha parte, fica (mais uma vez) o desejo de voltar. Mas voltar com "V" maiúsculo. Por vocês e por mim.


sexta-feira, 25 de agosto de 2017

Falta muito para o Outono?

Aqui


sexta-feira, 4 de agosto de 2017

Eram umas destas e não se falava mais no assunto

NIKE

terça-feira, 1 de agosto de 2017

"Cada dia pode ser um novo começo, respira fundo e começa de novo."

Estava aqui numa espécie de estado vegetativo, quando resolvi "puxar a fita atrás" aqui no estaminé e ver o que andava a fazer mais ou menos por esta altura em anos anteriores. Ando numa fase de retrospectivas e ter um blog com quase quatro anos ajuda a relembrar momentos já passados, desde os mais sérios aos mais parvos. Recordam-se situações, pessoas, ri-se, chora-se, enfim, não está cá tudo, mas está alguma coisa.

1 de Agosto de 2014: ao que parece, há três anos já estava de férias e tinha aproveitado o dia para praticar o dolce far niente que traduzindo à letra não foi mais do que bater perna pelo shopping e trabalhar para o bronze, curiosamente, na companhia de uma pessoa que já não faz parte da minha vida. Estava em vésperas de casório - 2014 foi o ano da saga dos casamentos (existem registos de 127 posts sobre o tema e discussões deveras interessantes) - e de partir de férias para Djerba. De notar no post em questão como sou uma pessoa bastante muito asseadinha, já que entre casório e ter de fazer uma mala para ir de viagem ainda estava preocupada em deixar a casa devidamente ajeitada. Foi o mês em que fiquei noiva.

3 de Agosto de 2015/ 31 de Julho de 2015: não houve post no dia um, mas fui ler os dias próximos da data e verifiquei que arranquei o mês de Agosto com um "Foi o melhor que se arranjou" daqueles muito "eu". Comentava, também, o facto da agitação do mês de Julho ter terminado. O belo do mês do Agitágueda que este ano passou-me completamente ao lado.
Se formos um pouquinho mais atrás, 31 de Julho de 2015, temos um dos 327 posts da rubrica "Noiva à beira de um ataque de nervos", afinal, faltava pouco mais de um mês para dizer o "sim" no altar.

2 de Agosto de 2016: à semelhança dos dias de hoje, há um ano o blog também estava em segundo plano, por razões diferentes, mas estava. Andava ansiosa para mudar de casa e estava quase a cortar os pulsos com o fandango do "ahhh mudamos este fim-de-semana, ai afinal não, as obras ainda não terminaram, ahhhh mudamos este fim-de-semana, ai afinal não, ainda falta isto, aquilo e o c@%&#, (...)". Só mesmo um par de sapatilhas novo para me acalmar os nervos.

E agora...é o que está. Não é o fim do mundo mas quase. Uma montanha russa de sentimentos. E é difícil não desanimar. Não viver os dias angustiada e com o coração apertadinho. Tento acreditar que tudo segue um propósito qualquer, mas na hora "H", quando mais se precisa, fica difícil. Coragem. A vida pede muita coragem, principalmente, na hora de tomar decisões. Podemos errar, mas pior que errar é a cobardia do conformismo. E que atire a primeira pedra quem nunca cometeu um erro na vida.


sexta-feira, 28 de julho de 2017

Trapinhos

Depois de uma pequena incursão pelo site da Zara, de litros de baba derramada e de respectiva partilha com vossas excelências As minhas leitoras de algumas das peças que batem forte cá dentro, eis que partilho o registo de alguns dos meus looks mais recentes, com algumas peças novas que ainda não fotografei para a rubrica mais fashion-coiso-e-tal e que algumas meninas me questionaram sobre a marca na altura em que partilhei no stories do Instagram. Quem ainda não segue o blog lá pela Instalândia (a minha pessoa, vá), está sempre a tempo de se redimir. :D

Bom fim-de-semana!

Macacão a/c SHEIN (aqui)
Adoro macacões menos na hora de ir ao WC (imaginem quem vai de hora em hora tipo eu), se bem que este até bem fácil de vestir e despir. E é super giro e confortável!

Blusa a/c SHEIN (aqui)
Adoro esta blusinha, mas sou suspeita pois tenho uma panca qualquer pelo polka dot. Também adoro saias plissadas, mas precisava de ter menos um ou dois centímetros de anca para não ficar com ar de rotunda do Marquês de Pombal.

quinta-feira, 27 de julho de 2017

Ahhhhhhh os saldos!!

Aqui

Aqui

Aqui

quinta-feira, 6 de julho de 2017

#nãotens7vidas #4: no bom caminho

Para a semana tanto eu como a Rita temos consulta marcada com a Maria. Se os resultados forem tão bons quanto os alcançados no mês passado, só teremos motivos para sorrir.

A Rita desde o inicio tem registado uma evolução bastante positiva. Chegou à Maria com 28,9% de massa gorda e na última consulta registava 25%. Em dois meses conseguiu perder 3,9% de gordura o que é muito bom. Fora o volume que já perdeu na zona abdominal. O peso não oscilou muito, porque a par da diminuição de massa gorda tem aumentado a massa muscular, mas o caminho é este.

Atitude e força de vontade são a base de tudo.
Conseguir o queremos só depende de nós mesmas.
E quem quer consegue.

Quanto a mim, também saí bastante satisfeita da última consulta. Não ganhei tanta massa muscular como no mês anterior (apenas 100g), mas voltei a diminuir a massa gorda e nunca a tive tão baixa como agora, apesar de várias facadas na alimentação: 18,1% (yupiiiiiii). Sempre disse que gostava de baixar até aos 17%, ou 16,9% vá, pelo que já vejo a luz ao fundo do túnel. Os abdominais também (yeeeeaaaahhhhh!!). De manhã é um regalo olhar para o espelho, com o avançar do dia vou inchando, inchando, enfim, cenas de gaja (e de pessoas sem vesícula).

Terça-feira não sei muito bem o que esperar da balança, porque as facadas na alimentação continuam (as festividades assim obrigam), no entanto, não estou minimamente preocupada, porque o que realmente importa não são as percentagens de massa corporal, mas sim sentirmo-nos bem e gostarmos de nós todos os dias. E eu sinto. 




quarta-feira, 5 de julho de 2017

Cadê? Cadêêêê eles?!

Entrámos oficialmente no Verão há, sensivelmente, duas semanas e tem estado uma brasa aideusnossosenhormacuda. Que não se aguenta, vá. Impossível não pensar em férias, em praia, em mar, (em nadadores salvadores de 1,80 para cima, morenos e com um six-pack de ficar com um tique nervoso no olho esquerdo), em gelados (deixo as bolas de Berlim para vocês) e em biquínis. Sim, biquínis. Lamento informar, mas chegou a hora da verdade. A hora de mostrar ao mundo o corpinho que Deus (e todas as alarvidades que metemos à boca) nos deu e com ele toda a celulite que povoa em nós. MEDO. Nós mulheres devemos ter feito muito mal noutra vida para ter de carregar tamanha cruz. Mas nãããããã, não vale a pena desatarem a fazer exercício físico de manhã à noite que nem umas perdidas, nem entrar em dietas loucas, porque não vão conseguir a proeza de fazer em um/dois meses aquilo que deviam ter feito o ano todo. Milagres só os de Fátima.

Mas a celulite já é um drama velho, carrancudo e com barbas brancas, uns quilitos a mais também. Eu, este Verão, descobri um drama ainda maior de tão estúpido que é, que passo a citar: encontrar um biquíni giro. O drama, a tragédia, o horror. Para quêêêêê "eat clean", para quêêêê "work hard play hard", para quêêêê "no pain no gain", para quêêêêê "operação biquíni" quando na realidade não se tem um biquíni hiper-mega-giro para nos fazermos passear lindas e maravilhosas por esses areais fora? É isto minhas amigas. Toda uma inquietação que se apoderou de mim este fim-de-semana. Foi um entra e sai de lojas que só de lembrar fico com suores no bigode. O meu humor de ratazana ia aumentando à medida que as hipóteses iam diminuindo. Apreciem só.

A primeira loja a entrar foi a Calzedonia. Tinha visto umas coisinhas muito engraçadas no site e estava a apostar tudo na dita cuja e a crer que arrumava o tema logo ali. Só que não. Como sempre, as lojas físicas não têm metade dos artigos que estão disponíveis online e eu sou aquela pessoa que se recusa a comprar biquínis sem experimentar (sob pena de ficar com este projecto de mamas a nadar). Bom, saí da loja e fui (ou fomos, já que era eu e mais três na saga) viradinha à Women'Secret e nada. Oysho nada. Já estava por tudo e até na Sport Zone passei os olhos, mas rien de rien. Última paragem e já sem esperança nenhuma na humanidade, Tezenis. Bom, no meio de muita coisa a roçar o pindérico e sem jeito nenhum, lá encontrei uma parte de baixo que me encheu as medidas. É provável que para o ano não tenha uma cueca de biquíni e sim uma tenda de circo, mas pelo preço não posso esperar lagosta. Nisto, ficou apenas meio assunto resolvido já que ainda faltava a parte de cima. Como a cueca eleita tem padrão preferia que a parte de cima fosse lisa, e na Tezenis as partes de cima dos biquínis de uma só cor mais pareciam soutiens. Estava quase a dar de frosques e a deixar a parte de cima para outro dia, quando resolvi voltar à Calzedonia e dar uma olhadela nos básicos e pumbas, encontrei uma parte de cima que gostei. Simples mas assenta na perfeição como se quer.


Posto isto, estou remediada mas não totalmente satisfeita. Por isso...cadêêê biquínis giros, geeente, cadê? Vocês não sejam invejosas, pindéricas e trogloditas e partilhem aqui com a malta, sim? Quero saber onde é que eles andam. E nem ousem mencionar as letrinhas "C", "A", "N", "T", "E" sob pena de começar a distribuir chapada. Primeiro, recuso-me a dar 100€ ou mais por um bocadinho minúsculo de tecido que só uso durante um/dois meses num ano inteiro; segundo, recuso-me a fazer quilómetros por causa de um mero biquíni (e não, não arrisco a comprar online, já diiiiiiisse) e terceiro, bem sei que lá encontro biquínis giros às paletes. Vá, aguardo vossas sugestões.


Nota: vamos ignorar (pelo menos para já) outro período de blackout e qualquer justificação. Hoje apeteceu-me escrever e é o que importa.

quarta-feira, 14 de junho de 2017

Foi o melhor que se arranjou #268


Cooooomo é que já vamos a meio do mês? Não, pior que isso é mesmo: COMO é que já vamos a meio do ano? Desculpem-me, mas há muito que não vinha aqui queixar-me de como o tempo passa a galope. Juro que ainda ontem estava com os pés na lareira e tapada até às orelhas. Quando na realidade é quase Verão. E não tarda cheguei aos "intas" (MEDO), e não tarda é Natal, e não tarda estamos todos janotas (ou não) e com um copito a mais (ou não) em modo "10, 9, 8, 7 ..., 1, bibó Ano Novo" eeeeee...pronto, já me calei.

Esqueçamos então a velocidade do tempo e vamos mas é falar de coisas giras. Já vos disse que adoro lenços e tem sido, sem duvida, o acessório que tenho usado e abusado ultimamente (quem me vai acompanhando pelo stories do Insta sabe disso).
São o acessório must-have desta estação (momento "pessoa-armada-em-fashion-adviser-não-incomodar-por-favor") e dão um toque bastante trendy e divertido aos nossos looks. Com eles é super fácil transformar um look básico numa coisinha assim mais interessante.

Estamos conversadas em relação aos acessórios - na sua qualidade o lenço -, falemos agora das saias de ganga que a par com os casacos (do mesmo material e que já vos falei precisamente no post anterior) andam a dar tuuuuudo esta Primavera/Verão. Pois é, não há como fugir delas, estão em todas as lojas e em todas as formas e feitios. Por isso, já sabem, lencinho (no pescoço, na cabeça, no pulso ou na mala) e uma saia de ganga e bora ser felizes nestes dias de sol.

sexta-feira, 9 de junho de 2017

Foi o melhor que se arranjou #267


Não me canso de dizer o quanto adoro rumar à Invicta. Vocês estão podres de saber que foi a cidade onde estudei e onde vivi durante quatro anos. Faço parte daquele grupo de pessoas que é bastante agarrado à sua terra e à sua gente, no entanto, vejo no Porto a única cidade que eu trocaria pela minha terra natal. Lá sinto-me em casa. Reconheço cheiros e deixo-me encantar pelas ruas tão sóbrias e austeras e pelos edifícios arquitectónicos que me fazem viajar no tempo. A Ribeira e toda aquela paisagem fantástica que me é tão familiar. E a gente. Gosto daquela gente tão simples, tão transparente, tão dona do seu nariz e tão sem papas na língua. E gostava de ir mais vezes ao Porto do que aquelas que realmente vou.

Quanto ao look, não há muito a dizer. Um branco total confortável contrastado pelo casaco de ganga, peça que tem tanto de básica como de essencial. E este ano há tantos e tantos modelos diferentes nas lojas - esfarrapados, com aplicações, com bordados, com mensagens, com lavagens diferentes -, é só escolher aquele com que nos identificamos mais. Os folhos também são um dos detalhes que marcam as peças desta estação e dão aquele toque mais especial e girly aos nossos looks.

quarta-feira, 7 de junho de 2017

COOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOMO???

Mas coooooooooooooomo é que ousaram tirar o Magnum Manteiga de Amendoim do mercado?!! COOOOOOOOMO?!!! A quem é que eu devo apertar o pescoço? À Cristina Ferreira? À Rita Pereira?! A queeeemmmmmm?
Estou em choque. Não se ferem assim os sentimentos de uma pessoa, snif, snif.


R.I.P. Magnum Manteiga de Amendoim
Snif
Snif
Snif


terça-feira, 6 de junho de 2017

Então e tu, Gata, como é que andam essas massas?

Perguntam vocês. Pois que saí bastante satisfeita da última consulta de nutrição (que foi no inicio do mês passado). Depois de meses sem conseguir aumentar a massa magra, foi desta que consegui ganhar praticamente 1 kg de chicha da boa (músculo, vá) e, além disso, encontro-me novamente abaixo dos 20% de massa gorda (19,8% mais precisamente).

Desde que percebi que o peso da balança é pouco relevante, que a minha atenção passa por controlar a massa corporal de forma saudável e da forma que me faz sentir bem no meu corpo. Na realidade, e tendo for base a minha estatura, de nada vale pesar 56/57 quilos (o meu peso ideal) se a massa gorda for de 30% (percentagem esta já indicativa de excesso de peso). Por isso, não me incomoda ver o peso da balança a aumentar desde que seja fruto do aumento da massa muscular.

Para quem possa estar aqui pela primeira vez, eu nunca fui gorda, fui sim uma "falsa magra" como há tantos e tantos casos, tendo a coisa piorado no final de 2015 (ganhei 4 quilos assim "do nada"). Mas ainda há muito aquela ideia de que quem aparenta ser magra não precisa de fazer dieta e, por consequência, há ainda quem ache que fazer dieta é apenas e só perder peso. É por isso que quando me vêm com o "ah e tal fazes dieta" eu respondo "não, eu faço uma alimentação saudável", até porque o meu objectivo neste momento passa por aumentar peso e não diminuir. Mas nada melhor do que comparar dois casos e perceber o que é realmente um peso saudável e um "peso disfarçado de saudável" ou o que é uma pessoa realmente magra e uma "falsa magra".

Quando cheguei à Maria a primeira vez, pesava 61,4 kgs e estava com 25,8% de massa gorda, percentagem essa já com um pezinho no que é considerado excesso de gordura. Em conversa sobre o Biquini Fitness etc e tal, a Maria disse-me que pesava 60 kgs. Estão a ver um burro a olhar para um palácio? Pronto, fiquei tal e qual, quiçá mais burra ainda. E porquê? Porque vendo o meu peso e olhando para mim e para a Maria (visivelmente bem mais magra do que eu), eu diria que ela pesaria uns 52 quilitos. A diferença é que enquanto eu boiava em gordura (25,8%), a Maria tinha apenas 10% de massa gorda e todo o resto era carninha da boa, da grossa, da saudável, estão a ver? E já sabemos que músculo pesa bem mais do que gordura.

segunda-feira, 5 de junho de 2017

Foi o melhor que se arranjou #266


Tirar estas fotos foi um verdadeiro teste à minha paciência e uma autêntica bomba-relógio para o meu mau feitio, que é quase nulo (senão o provocarem, ah! ah! ah!). Vento, vento e mais vento, baaaaahhhhh!!!
Fazer vento, aliás, estar uma ventania dos diabos em Aveiro não é propriamente algo estranho, é só a cidade no seu estado de graça puro, mas uma pessoa mantém sempre a ínfima esperança de conseguir passear pelas bonitas ruas da cidade sem ficar com o cabelo como se tivéssemos acabado de ser albaroadas pela rebentação de uma onda (quem desconhece a experiência, não teve uma infância feliz). "Ahhhhh vamos tentar aqui que parece estar mais abrigado" e TAUUU, mais uma rajada de vento e cabelos com vida própria. "Agora, agora, agora que está menos vento" e TAUU, cabelo para a frente das fuças. Gente, estava capaz de cuspir fogo. Posto isto, se detectarem um certo ar de poucos amigos nas fotos que se seguem é porque sim, estava no meu momento "não-puxem-do-isqueiro-que-expludo".

Nota 1: já vos disse que adoro verde-tropa?
Nota 2: já vos disse que adoro lenços e que ainda este fim-de-semana marcharam mais dois cá para casa? :D

quinta-feira, 1 de junho de 2017

Pão de Banana


Esta receita já estava prometida há algum tempo e à semelhança dos últimos tempos: tardo mas não falho. Quando partilhei esta minha experiência na cozinha no Instagram, instalou-se tamanho surubudu que não podia mesmo deixar de vos partilhar a receita. Até porque se é para partilhar alguma coisa, que sejam coisas boas.

Na falta de algo mais interessante para fazer e estando o tempo tipo o dia de hoje - nem está bom nem está mau (está uma m*rda) -, adoro enfiar-me na cozinha e testar receitas saudáveis para as refeições em geral, mas, especialmente, para o pré-treino uma vez que é o lanche que me vai dar a energia necessária para treinar com garra.

Uma das minhas últimas experiências foi este Pão de Banana que vocês taaaaanto reclamaram pela receita. Tipo...PÃO DE BA-NA-NA? Nunca me imaginei a fazer pão muito menos de banana, mas geeeeente, é mega delicioso!! E o melhor é que não fica seco, muito pelo contrário, fica super húmido e mantém-se assim mesmo com dois ou três dias. E é uma excelente opção para o lanche antes do treino. Barrado com manteiga de amendoim então, hummmmmm, ma-ra-vi-lha.
Experimentem fazer e depois contem-me tudo. =))

Toda uma reputação por água abaixo em 3, 2, 1...




Obrigada minha querida irmã, também gosto muito de ti (mas gostava mais ainda de quando te enfiava o dedão grande do pé no nariz, ah! ah! ah! ah!). Estes tesourinhos deprimentes estão mesmo a pedi-las (se é que m'entendes)!!
Já agora, feliz Dia da Criança.
❤️

quarta-feira, 31 de maio de 2017

#nãotens7vidas #3: os resultados da primeira prova de fogo


Não tarda estamos na terceira consulta de nutrição da Rita e eu sem vos passar o feedback da segunda. Mais vale tarde do que nunca, não é verdade? Bom, em meados do mês de Abril tivemos a primeira prova de fogo: avaliar o resultado do primeiro mês de hábitos alimentares mais saudáveis e equilibrados. Resultados esses que foram bem visíveis. Passado mês e meio a praticar uma alimentação mais saudável e exercício físico de forma mais regular, a Rita conseguiu perder 1,300 Kg, diminuir a massa gorda em 1,9%, aumentar 1 kg de massa magra, perder 4 cm de perímetro abdominal e a sua idade metabólica passou de 24 para 17 anos. TAUUU, vai buscar!! :D Com o excelente acompanhamento da minha "nutri" fofinha, com os treinos do Bruno e as idas à box não podia ser de outro jeito.

Os resultados foram fantásticos e fiquei muito orgulhosa da minha Ritinha. Segundo ela, a única coisa mais complicada de gerir na adaptação ao plano alimentar tem sido os almoços ao nível das quantidades. E, claro, a vida social - jantaradas, lanches e demais saídas entre amigos - onde é quuuuuase impossível não cair nas tentações do demo também é o grande calcanhar de Aquiles. Mas mesmo assim, o que a Rita conseguiu alterar para melhor foi o suficiente para atingir bons resultados e eu já ando mega ansiosa com a próxima consulta que está para breve.

terça-feira, 30 de maio de 2017

Foi o melhor que se arranjou #265


Eu sei que a Páscoa já vai longe e não tarda é Natal, mas contem-me cá: quem é que comprou roupa nova para estrear no dia de Páscoa, hum? Esta pergunta porquê? Porque o look que hoje partilho, à excepção do cabelo, foi o eleito para o dia de Páscoa e não tem nem uma única peça nova para amostra. O que não sendo nenhum feito extraordinário é caso para perguntar se estou doente.

Em criança, era muito comum os meus pais comprarem-me a chamada "roupa da Páscoa", ou a "roupa do Natal" ou a "roupa de uma-ocasião-especial-qualquer". Não é que não tivesse roupa nova fora de ocasiões especiais, mas não tinha com a mesma facilidade que tenho hoje já que, muito basicamente, se me apetecer comprar alguma coisa compro, senão apetecer não compro. Em criança não era quando eu queria, era quando os meus pais assim o entendiam. Daí achar que antigamente dávamos muito mais valor às coisas, até porque acho que um "não" enquanto crianças é muito importante na nossa formação enquanto pessoas e prepara-nos para o futuro, e diga-se que era uma alegria imensa quando se aproximavam as datas mais especiais porque sabia que ia ter direito a um miminho.

Mas bom, isto para dizer que eu mantive a tradição, religiosamente. Com dois meses de antecedência já sonhava com a "roupa da Páscoa". Chegava o mês da Páscoa, podia até já ter gasto meio ordenado em roupa e afins, que a aproximação do dia era a desculpa perfeita para uma nova ida às compras. Mas este ano foi diferente. Para além de não me ter apetecido comprar nada em especial, também não sentia necessidade disso. Isto dito por uma mulher mais parece anedota - nós estamos sempre prooooontas para bater perna no shops, certo? -, mas assim foi.

Chegado o dia nem pensei muito no assunto. Estava calor, sabia que queria algo fresco e leve, e que não queria vestir ganga. Abri os armários, fiz um check-up muito rápido e em menos de nada cheguei a este coordenado. Preto e branco nunca falha. Estive em vias de escolher os meus stilettos pretos, mas olhei para o lado e lembrei-me que há muito que não usava os meus lindos sapatunfos azuis. E eu adoro looks a preto e branco com um toque de cor assim forte. Para o remate final, o meu choker e as meias de rede. Os tais pormenores que fazem a diferença. Tudo peças antigas, mas senti-me igualmente gira, como se estivesse a usar tudo pela primeira vez.

Conclusão da história? Quantas e quantas vezes nos deixamos levar pelo espírito consumista e, ainda assim, quantas e quantas são as vezes que olhamos para o nosso armário e maldizemos "tanta roupa e nada que vestir"? É importante saber comprar, não comprar só porque sim, só porque é giro, só porque está na moda ou só porque a pessoa X usa, porque muitas vezes não sabemos o que fazer com a peça e fica para canto (muitas vezes ainda com a etiqueta - quem se acusa?) ou usamos uma vez e nunca mais. E...gastar dinheiro em roupa só para usar uma vez? A sério?! Que desperdício. O segredo (que não é segredo nenhum) é comprar racionalmente, saber escolher peças que nos permitem os mais variados coordenados, ter aqueles básicos imprescindíveis e ter uma ou outra peça de destaque. Somos mulheres, crises de armário vão existir sempre, mas se soubermos comprar menos e melhor a carteira agradece e as crises de armário deixam de acontecer "dia-sim-dia-sim" para acontecer "dia-sim-dia-não".

domingo, 28 de maio de 2017

Falta de tempo, má gestão do mesmo ou...

...um estado de espírito? Talvez um pouquinho de tudo. E também uma necessidade de viver mais devagar. Um bem essencial e escasso tal é o stress diário a que estamos sujeitos pelas mais variadas razões. Sempre gostei de viver dias cheios e sentir-me ocupada dos pés à cabeça 24/24 horas. A agitação faz-me sentir útil e viva, para além de achar mais entusiasmante viver os dias a mil.

Mas não somos de ferro e num abrir e fechar de olhos a agitação dá lugar à ansiedade. A ansiedade do tempo não chegar para tanto que se quer fazer. A ansiedade de querer estar em todo o lado. A ansiedade de falhar com o planeado. A ansiedade do perfeccionismo (característica máxima dos virginianos). Ansiedade essa que por sua vez conduz a mais stress. Um ciclo vicioso tão comum que muitas vezes ata pés e mãos e deixa-nos como que à deriva sem saber muito bem para que lado virar, onde se torna fundamental estabelecer prioridades.
E se por um lado não somos de ferro, por outro, somos feitos de sentimentos e nem sempre o nosso psicológico dá a força necessária para estarmos em todas as frentes de corpo e alma, com a alegria e vitalidade que se pretende.

Às vezes gostava de ser duas. Enquanto uma encarregava-se do trabalho e das responsabilidades mais sérias, a outra dedicava-se aos passatempos, às coisas que mais gostamos de fazer, aos pequenos prazeres da vida e às pessoas que nos rodeiam. Uma para a parte séria e outra para a parte divertida da vida. Uma para viver as tristezas e angustias e outra para viver a felicidade. Mas na realidade sou só uma e senti (e sinto) necessidade de abrandar. Porque nem sempre é fácil saber gerir tudo. Porque fases menos boas existem. Porque às vezes sentimos necessidade de estar no nosso canto, de meditar e de dedicar tempo de qualidade a nós mesmas, para depois regressar com mais força. 

Nisto de querer abrandar, tenho tentado aprender a viver com mais calma, com menos ansiedade e tenho organizado os meus dias da forma que acredito ser a melhor para mim. Uma das minhas prioridades é o desporto, como vocês bem sabem. É sem dúvida o meu escape e está longe de se resumir ao "ser fit" . É uma paixão, um desafio pessoal, um estilo de vida, um desfrutar da riqueza que é sentir-me cheia de vida, mas é também aquele momento em que me abstraio de tudo e acaba por ser fundamental para a minha sanidade mental. 

No meio disto tudo, o blog não está esquecido nem me passa pela cabeça desistir dele, muito pelo contrário. Tal como já vos confidenciei: se eu estiver "onfire", o blog também estará; se eu estiver em modo ratazana deprimida é provável que o blog fique assim, neste marasmo, à espera de melhores dias porque prefiro escrever-vos com alegria e entusiasmo do que deixar passar alguma apatia. Porque é mesmo isto.
São vários os comentários e mensagens onde vocês "reclamam" - "e porque agora é só crossfites e cenas assim" dizem vocês -, onde eu tento guardar apenas o lado bom disso. Porque se vocês reclamam a minha ausência é porque gostam de mim de alguma maneira e sentem a minha falta. E isso é bom, não me canso de agradecer o vosso carinho, mas... Tentem compreender-me e tenham um pouquinho de paciência. Eu continuo a ser eu, a "Gata" que vocês conheceram e quero apenas continuar na liberdade de ser quem sou. Mais ausente, menos ausente, com dias bons e dias maus, com fragilidades que tento ultrapassar e sonhos que não deixo de perseguir. E com o presente desejo de viver a vida mais devagar.




segunda-feira, 15 de maio de 2017

OH, MONDAY! #21

E para começar a semana fica um conjuntinho fresquinho, em tons terra e a chamar pelo sol. Adoro macacões e este, apesar de simples, é muito bonito. As sandalocas também podiam vir cá para casa, que eu não me fazia de esquisita. E a mala também, já agora (embora, ultimamente, ande mais inclinada para as malas pucaninas)!

Macacão LANIDOR (aqui) | Mala LANIDOR (aqui) | Sandálias LANIDOR (aqui)

Boa semana!

sexta-feira, 12 de maio de 2017

Relax, it's weekend #24

Pois que parece que as águas mil de Abril apanharam um engarrafamento qualquer e só chegaram agora em Maio e em força. Toda a semana nisto e parece que o fim-de-semana não vai ser diferente. Lá vou eu ter de festejar o "tetra" de guarda-chuva na mão, que sacrifício (só que não :D).

Na sugestão de hoje, partilho um casaco que vi no passado fim-de-semana na Xtreme de Aveiro e que ficou a bater forte cá dentro desde então. É LINDO! Desde o corte, à cor (adoro verde-tropa) e ao pormenor do bordado que também tem nas costas. Resisti-lhe uma vez, não sei se resisto duas. 
A camisola que escolhi para coordenar também tem um detalhe diferente e super giro nas costas. Vejam! =)

Casaco ONLY (aqui) | Camisola ZARA (aqui) | Calças ZARA (aqui) | Mala MANGO (aqui) | Sapatilhas ADIDAS (aqui)


Bom fim-de-semana e...saudações benfiquistas! :D 

quarta-feira, 10 de maio de 2017

Foi o melhor que se arranjou #264


Tenho dado como desculpa a falta de tempo para justificar a ausência dos últimos tempos, mas não é só isso. Ou não é a razão maior. É verdade que ando sempre de um lado para o outro e dedico grande parte do meu tempo livre ao desporto, mas quando nos sentimos no nosso perfeito estado de espírito não há cansaço que nos vença. Na verdade, não tenho andado muito animada e acabo por não sentir a inspiração necessária para escrever ou partilhar o que quer que seja. Vocês sabem - pelo menos quem me acompanha desde os primórdios- que nunca gostei de partilhar posts só por partilhar, só para picar o ponto, só para manter o número de visitas ou só para dizer "estou aqui, não se vão embora". Sempre gostei de depositar um pouquinho de mim em cada partilha e o que sinto em cada palavra. O meu maior gozo era (é e será) tentar contagiar-vos com a minha boa disposição, fazer-vos sorrir e fazer parte daqueles vossos cinco minutos de descontracção do vosso dia. E, claro, aparvalhar um bocadinho, porque para coisas sérias já basta a vida assim no geral.
Quando me sinto mais down parece que tudo o que escrevo soa sempre a pouco e até mesmo a falso. Porque é o tentar passar alegria nas minhas palavras, quando só me apetece enfiar debaixo dos lençóis e sair lá para 2027. E este é um blog real, escrito por uma pessoa real. Não é um robot. É feito de sentimentos e não de posts agendados ou para cumprir compromissos. E é o reflexo de mim. Se eu estiver "onfire", o blog também estará; se eu estiver em modo ratazana deprimida é provável que o blog fique assim, neste marasmo, à espera de melhores dias porque prefiro escrever-vos com alegria e entusiasmo do que deixar passar alguma apatia.
Sinto que vos devia este pequeno desabafo, porque tenho recebido mensagens de algumas de vocês e o vosso carinho é bom demais para não dar o devido valor. Porque não, os blogs não são só blogs e o bom disto (o mais importante) são os laços que se criam e a cumplicidade que criei com muitas de vocês. OBRIGADA por, apesar dos "apesares", estarem sempre aí desse lado.

Agooooora, pausa na ratazanice aguda para falar de coisas giras tipo o meu look. Sim, vocês bem podem vir com o vosso mau feitio - "ahhhhh e tal que piiiirosa", "ah que mau gosto, nunca desiludes" -, que eu vou continuar a sentir-me a última bolacha do pacote (ah! ah! ah!). Bom, o que eu quero dizer é que ando bastante in love com as tendências desta estação. Parece-me ser a Primavera mais divertida, colorida, romântica e feminina de sempre. Folhos e bordados, há lá coisinha mais fofinha? Duvideodó. Falando em particular dos bordados - a febre do momento -, é um detalhe que adoro não só por ser super feminino, mas também por tornar um look básico num look bem mais interessante. Ele são bordados nos jeans, nas blusas, nos casacos, nas malas e até no calçado. Adoro, acho um máximo, especialmente, nos jeans. Mas é preciso algum cuidado na hora de escolher os nossos jeans bordados. Meninas mais gordinhas ou de anca avantajada devem evitar os bordados na zona da anca, uma vez que irão criar mais volume. De resto, é usar e abusar.


P.S.: e este cenário LINDO? =)) 

quarta-feira, 3 de maio de 2017

Foi o melhor que se arranjou #263


Se alguma vez imaginei voltar a usar meias de rede? Não, mas também não era daquelas coisas que dizia "nunca", como digo às calças à boca de sino, por exemplo. Essas, por mim, podem morrer asfixiadas no mofo dos arrumos lá de casa. A verdade, é que a moda é cíclica e o que foi e já não era, de um momento para o outro volta a ser tendência. No caso das meias, de rede ou qualquer outra de fantasia, é coisa que me agrada bastante e quem me segue pelas redes sociais sabe disso, porque volta e meia partilho alguns detalhes.

Outra coisa que gosto bastante são as t-shirts (mas há alguém que não goste?!). Ou com mensagens, ou logos ou bonecada, adoro e animam qualquer look. Quando vi esta que vos mostro no look de hoje no site da Shein, o pensamento foi automático "tem de ser minha". Vá-se lá saber porquê. :D

terça-feira, 2 de maio de 2017

WISHLIST | May please be good

Desde Fevereiro que não partilho por aqui uma wishlist, por isso, hoje parece-me um bom dia para o fazer. Nunca se sabe quando poderá estar aí desse lado uma alma gentil com vontade de fazer alguém feliz (ah! ah! ah!).


1- Casaco Adidas (aqui): sonho com ele desde o primeiro dia em que o vi. Não sei se é das bolas ou das bolas, mas acho-o lindo e fofinho que só ele e preciso muito, muito, muito dele.

2- Saia bordada Salsa (aqui): até a pessoa mais distraída já deve ter dado conta que os bordados são um dos detalhes sensação da estação. Gosto de tudo o que é aplicações, desde que não seja em exagero, e depois de ter comprado uns jeans bordados na Zara é a vez de andar de olho nas saias de ganga. Esta parece-me muito bem (menos o preço).

3- Paleta Natural Love da Too Faced (aqui): para quem gosta de maquilhagem paletas nunca são demais. Já podemos ter 10, 20, 30 e depois de comprar a 31ª até podemos pensar que "agora sim, não há cor que falte, não preciso de mais nenhuma, não quero saber mais de paletas", que basta sair uma nova paleta para sentirmos logo necessidades e pensarmos "opa, afinal não, afinal não tenho aquelas cores e preciso assim muito, muito, muito". Cenas de gaja. Esta paleta mais recente da Too Faced é só a coisinha mailinda e identifico-me bastante com os tons, portantos...a menina quer muito. :D

4- Sapatilhas Nike Metcon (aqui): desde que percebi que as sapatilhas próprias para a prática de Crossfit fazem mesmo a diferença que ando de olho nelas. Entre as Nano e as Metcon ando mais inclinada para as Metcon (Nike team, yeeaaahhh). Numa ida ao Carregado encontrei umas Metcon 2 super giras e a metade do preço (mais giro ainda) e só não as trouxe comigo por meio número. Sim, porque calço o 39 e só tinham 38,5. Migas, fiquei DOENTE!!!

segunda-feira, 1 de maio de 2017

OH, MONDAY! #20

Qual é a rubrica qual é ela, que tínhamos à segunda-feira e era muito bela?
(a parte do "bela" foi só para rimar, hã.)
Isso mesmo, "OH, MONDAY!" para começarmos a semana bem inspiradas e a lavar as vistinhas com coisas giras. 
Estamos no primeiro de Maio (JÁÁÁ?!), Dia do Trabalhador, e é feriado, pelo que me parece um bom dia para criar conteúdos aqui para o estaminé.

Comecemos, então, pela habitual sugestão de segunda-feira, e começo por dizer que este vestido-blazer deve assentar que é uma maravilha. Ainda não o vi ao vivo e a cores, mas tenho bastante curiosidade em experimentá-lo.

A ideia para as sugestões de segunda-feira é a de serem mais formais, mas não resisti e combinei este vestido com umas sapatilhas. Como já sabem, adoro quebrar o chique com o descontraído, mas um salto alto neste vestido fica, naturalmente, TOP.

Queria mesmo partilhar com vocês este vestido, porque a saga dos casamentos/baptizados/comunhões está para começar (se é que já não começou para vocês) e acho este modelo bastante interessante para uma dessas ocasiões. Mas claaaaaaaaro, sem sapatilhas e sem um "malão" grande. Fica a dica. =)
Vestido ZARA (aqui) | Mala LANIDOR (aqui) | Sapatilhas SALSA (aqui)


Boa semana!
(preparadas psicologicamente para semanas, semanas e mais semanas sem feriados e pontes? Eu também não, snif, snif.)