#

quinta-feira, 2 de maio de 2019

Matar como quem vai ali ao pão

Até hoje não sei o que é perder um familiar directo ou um amigo bastante próximo (que o diabo seja cego, surdo e mudo!!). O meu avô paterno faleceu bem antes de eu ser nascida e era bastante nova quando o meu avô materno partiu, para perceber realmente a dor do que estava a acontecer. Mas já vi partir pessoas conhecidas do meu meio, por alguma ligação aos meus pais ou a amigos meus mais próximos e, infelizmente, também já vi partir pessoas ainda bastante jovens com quem cheguei a partilhar alguns momentos. Apesar da ligação não tão próxima com estas pessoas é impossível não sentir um murro no estômago e sentir um pouquinho na pele a dor daqueles que lhes eram realmente próximos, principalmente, tratando-se de jovens e/ou de mortes inesperadas, no entanto, imagino que nunca será equiparável à dor de perder um filho, uma mulher, um pai, uma mãe, um namorado. Dor essa que desconheço e espero, espero mesmo não vir a conhecer tão cedo.

Ontem, quando vi a noticia sobre uma mulher morta a tiro em Oeiras através do Instagram da Cê e li o nome "Bárbara Varella Cid" fiquei completamente em choque. Não queria acreditar. Ainda não tinha almoçado, tinha acordado muito cedo para ir correr e tinha acabado de fazer uma sesta, mas qualquer preguiça que pudesse sentir passou num ápice. Pus-me automaticamente de pé e o meu cérebro só pensava "não pode ser, não pode ser, não pode ser, é a "minha Báá", não pode ser". Senti um aperto enorme no peito e fiquei num estado profundo de negação. Os meus olhos encheram-se de água e não consegui evitar que as lágrimas me escorressem pelo rosto.

A Bárbara era uma leitora assídua do blog. Das antigas. Também me seguia pelas redes sociais. Acompanhou-me nestes meus últimos quatro anos, em que tanto aconteceu. Mesmo nos meus períodos de ausência, ela estava sempre aqui. Trocámos muitas mensagens e até alguns e-mails. Trocámos fotos, trocámos ideias, partilhámos estados de espírito e algumas confidências do nosso dia-a-dia. A Bárbara tinha um carinho especial por mim. Fazia questão de o dizer, mas não precisava porque eu sentia-o nas suas palavras. O seu aniversário era um dia anterior ao meu. Não, nunca a conheci pessoalmente, mas tinha-a como uma amiga. Virtual, mas talvez mais real e mais verdadeira comparando com algumas pessoas que já passaram na minha vida. Porque há pessoas que são simplesmente feitas de luz. E ver as mensagens de pesar que vão sendo deixadas na sua página pessoal do Facebook, mostra-me que não estava rigorosamente nada enganada em relação à pessoa que conheci virtualmente e à imagem que criei dela: sorriso franco, genuinamente doce e simpática e de uma alegria contagiante.


Sinto que a Bárbara era daquelas pessoas difíceis de não se gostar e que deixará imensa saudade e um vazio enorme naqueles que lhe eram próximos. Aquele será o sorriso que vou guardar com carinho na memória.

Já li e reli as nossas conversas vezes sem conta. Continuo aqui com um nó no coração e a desejar que fosse tudo mentira. Mas não é. A Bárbara tinha um marido que amava, dois filhos lindos e ainda muito a fazer nesta vida. Pergunto-me como é que alguém tem coragem de ser tão cruel, tão frio, tão desumano ao ponto de ser capaz de cometer uma barbaridade destas. Todos os dias vemos noticias de pais a matarem filhos, filhos a matarem pais, namorados a matar namoradas, das formas mais variadas e inacreditáveis. Hoje mata-se por dá cá aquela palha. No que é que "nos" estamos a transformar?! É terrivelmente assustador.

Não podia deixar de escrever umas palavras sobre a Bárbara, a "minha Báá", neste que foi o espaço que nos uniu de alguma forma e que nos fez gostar uma da outra. Num dos seus últimos e-mails dizia-me "nunca imaginei ser possível criar uma ligação e laços fortes com alguém que, pessoalmente, não conhecemos mas... é possível". Sim, Bárbara, é mesmo possível. Da mesma forma que é possível chorar a perda de alguém que nunca chegámos a conhecer pessoalmente.


Já não vamos correr as duas, mas quem sabe se não o farei por ti.

Descansa em paz "minha Báá" ❤


terça-feira, 23 de abril de 2019

Cabelos para que vos quero #6


Por altura do Dia da Mulher, o cabeleireiro que frequento habitualmente sorteou uma mudança de visual que consistia em corte, coloração e maquilhagem. Vai que a vencedora do sorteio fui eu. Os meus olhinhos nem queriam acreditar quando viram "xs.hairstyleandbodycare mencionou-te numa história" e pumbas "a vencedora do passatempo ééé... a @agatadesaltosaltos ". Yeahhhhh, yupi, yupi!!

Tinha até final deste mês para fazer marcação, então, aproveitei o facto de fazer ponte na semana do 25 de Abril e marquei para sexta-feira dia 26. Assim, também tinha mais tempo para pensar muito bem no que fazer ao cabelo. Porque apetece-me muiiiiiito fazer cenas ao cabelo (medo). Não sei muito bem o quê, mas apetece-me (MEDO).

Agora que já faltam pouquinhos dias, encontro-me num profundo brainstorming pessoal entre mim e eu mesma. Porque nisto dos cabelos é preciso ponderar toda e qualquer decisão, a fim de evitar um suicídio capilar e, por sua vez, um sismo de magnitude 7.8 da escala de Richter na psique da mulher.

Ora bom... Quanto à coloração, não há grandes dúvidas, não vai fugir muito do habitual pelo que, ou mais claro ou mais escuro, o louro será para manter. O cerne da questão está no corte.

Confesso que ando um bocadinho entediada com este meu cabelo. Apanhei o gosto pelo cabelo curto (quem diria!!) desde que dei aquelas valentes naifadas nos meus longos cabelos e nunca mais quis outra coisa. Desde então, as minhas idas ao cabeleireiro resumem-se à manutenção da cor e a cortar o cabelo a direito pela zona dos ombros. Tem sido sempre isto. Viró disco e tocó mesmo. Cansei, gente, cansei. No entanto, o tamanho actual do meu cabelo não permite grandes mudanças. A não ser que o corte à Joãozinho ou o pinte de vermelho. Escusado será dizer que está redondamente fora de questão. Mesmo o bob curtíssimo à Cristina Ferreira que virou moda, esqueçam, porque só é bonito saído do cabeleireiro. Na minha opinião, é corte que não funciona no dia-a-dia, no sentido de não conseguirmos dar "Aquele" toque que lhe dá a verdadeira graça. Já ponderei fazer umas repas (vulgo, franja) e até já me ocorreu voltar ao risco ao lado. Mas não sei. Também já pensei em fazer um escadeado qualquer. Mas não sei. Não sei que faça à minha vidinha.

Posto isto... Pessoas fofinhas, pessoas do bem, pessoas com juízo, que por vezes é coisa que me falta, digam-me de vossa justiça, dêem-me a vossa opinião, digam-me cá o que é que eu faço a este gadelhame mais sem graça.

quarta-feira, 17 de abril de 2019

Ando com ideias...




terça-feira, 16 de abril de 2019

Assim foi mais um Bela Bela


Domingos. Manhãs. Ar puro. Natureza. Trilhos. Riachos. Cascatas. Subidas do Inferno. Descidas do diabo. Gargalhadas (/caralhadas). Bate cus. P*ta que pariu que não aguento mais. Socorro que vou esbardalhar-me toooooodaaaaa. Enfim... Corrida. Amizade. Companheirismo. Convívio. Vida.

Como não amar?

É certo que o gosto pela corrida não vem desde sempre, mas a corrida ensinou-me que posso ir sempre um pouquinho mais além. Mostrou-me que é duro, mas que a satisfação final compensa sempre. Porque quando chego à meta de uma prova sei o quanto me custou chegar até ali e não há como não me sentir vitoriosa. Não pelo tempo, não pelo lugar na classificação, mas pela sensação de superação. Com a corrida aprendemos a desfrutar da imensa riqueza que é estar cheia de vida. E este é o meu libertar de hormonas que não abdico por nada.

Porque desporto é vida. E aumenta a nossa capacidade de resiliência. Há alturas em que cais e não há mais nada a fazer a não ser levantares-te. Outras há em que a dor e o cansaço apertam mas levantas a cabeça, respiras bem fundo e continuas em frente, mais depressa ou mais devagar, porque desistir não é opção. Também há as linhas rectas onde simplesmente te deixas levar. É mesmo assim, no desporto e na vida. Acredito muito que a prática de exercício físico (que não tem de ser obrigatoriamente a corrida) torna-nos pessoas melhores, mais pacientes, mais lutadoras, mais resilientes e com uma capacidade de sacrifício muito maior.

sexta-feira, 12 de abril de 2019

MAKE UP | Quem não gosta de um belo pestanãozão, hum?


pestanas de boneca? sim, por favor!

Mesmo naquelas manhãs em que não há tempo para grandes apaparicações, nem mesmo para pôr betume na cara, a pessoa não pode sair de casa sem passar uma boa rimelada no pestanedo. Isso e um batom. Já dá ali um je ne sais quois à coisa e sempre parecemos menos falecidas.

Um simples gesto que faz toda a diferença no impacto do nosso olhar, mas nem sempre é fácil encontrar o rimel perfeito. Convém já aqui referir que, de facto, sou bastante exigente com as máscaras de pestanas e não é qualquer uma que me enche as medidas. Preciso de uma máscara que cumpra requisitos como:

- Volume;
- Alongamento;
- Separação;
- Rápida secagem;
- Zero grumos;
- Zero transferências;
- e acho que é tudo.

Okeyyyyyy, se calhar estou a pedir muito, mas quando penso na máscara de pestanas perfeita penso nestes itens toooodiiiiinhos, um a um, e não prescindo de nenhum. Odeio grumos, odeio rimel a transferir para a zona da olheira, odeio quando as pestanas colam umas nas outras e ficam com aspecto pastoso, e todas desejamos pestanas com volume, preenchidas, curvadas e separadas, portanteeeessss, acho que são os requisitos mínimos que podemos esperar num bom rimel.

Feita esta breve introdução, o que é que eu vos trago hoje? Nada mais nada menos do que a máscara de pestanas da Lâncome, da gama Hypnose, que muito me tem alegrado o pestanedo: a Doll Eyes.

quinta-feira, 11 de abril de 2019

Então e como é que param as modas?

Não sei mas começo a ver muito vichy por aí.

Stradivarius

Zara

quarta-feira, 10 de abril de 2019

E o que é que se está a usar? #6


the western belt

Vamos aqui a uma ligeira contradição. Eu raramente uso cintos, mas eu adoro cintos. Adoro mesmo. Isto para dizer que os cintos de inspiração cowboy são uma das tendências para esta estação, e aqui esta pessoinha que vos escreve aprecia bastante, embora ainda não tenha nenhum exemplar.

Já sabemos como os acessórios conseguem dar um "up" ao nosso outfit e quebrar o ar mais sem graça de looks mais básicos, e, neste caso, o cinto é daqueles acessórios que pode valorizar bastante o nosso visual, e ainda ajuda a demarcar a cintura. Além das formas óbvias de os usar em calças e saias, também ficam muito giros em alguns vestidos e até por cima de casacos.

Quanto a vocês, não sei, mas eu gosto bastante deste género de cintos, porque inspiram a looks boho e hippie chic, assim numa onda descontraída mas cuidada que adoro muito, muitinho e que associo bastante a dias bonitos, dias alegres, dias quentes, dias de sol.