#

quinta-feira, 30 de abril de 2020

MOVIE | O Milagre na Cela 7


Este é o filme turco que se tornou viral e tem posto meio mundo a chorar. Um filme realmente comovente que nos confronta, em simultâneo, com o melhor e o pior do ser humano.

A história desenrola-se à volta de Memo, um deficiente mental, e da sua filha Ova. Memo é acusado pelo homicídio da filha de um comandante. Aquando sua condenação (pelo crime que não cometeu), Ova fica ao cuidado da avó e tanto a forma como tenta provar a inocência do pai como a forma como tenta visitá-lo a todo custo, deixa-nos com um nó gigante na garganta ao conseguirmos sentir a sua aflição.
É por isso que a pequena Nisa Sofiya Aksongun merece uma enorme salva de palmas, pois apesar de tão nova conseguiu vestir a pele da sua personagem na perfeição e soube transmitir cada sentimento para o espectador.

São duas horas onde os sentimentos oscilam entre a força do amor e a falta de escrúpulos daqueles que abusam do poder. Quem viu "I am Sam" (ainda não vi) diz que o "Milagre na Cela 7" é um atentado ao cinema. Eu estou muito longe de ser expert em sétima arte, mas para mim, um filme que consegue despertar emoções, que toca na alma seja pela mensagem transmitida seja pelo que as personagens conseguem transmitir, nunca poderá ser um mau filme. Além disso, achei soberba a interpretação de Aras Bulut Iynemli (o Memo), ao ponto de chegar a pensar se não teria mesmo alguma deficiência.

É um bom filme para um domingo à tarde, mas não se esqueçam de ter um pacotinho de lenços à mão. E estejam atentos, pois há pequenos grandes pormenores da história que vos poderão escapar.

quarta-feira, 29 de abril de 2020

Retrospectiva Literária 2019


O desafio de 2019 passava por ultrapassar o recorde do ano transacto (25 livros), na ideia de chegar aos trinta livros lidos, só para ser um número assim mais certinho. Desafio esse que não foi cumprido, uma vez que fiquei-me precisamente pelo mesmo número (25). O que nem foi mau de todo, dado que o ponto de situação literário feito a meio do ano não era o mais famoso (rever aqui), no entanto, o último semestre acabou por render muito bem.

Não foi o ano de Tolstoi e cheira-me que vai continuar a não ser. Também não saí muito do meu registo - policial/thriller -, mas consegui explorar outros autores, como por exemplo, Carlos Ruiz Záfon, José Rodrigues dos Santos (fiquei mega fã), Kristin Hannah, entre outros.

Dois mil e dezanove em livros

25 livros
2 +/- livros por mês
11778 páginas no total
968 páginas por mês
673 páginas do livro mais longo que li

Melhor livro: Toda a saga Sebastian Bergman, sem sombra de dúvida. Mas sou suspeita, porque policiais/thriller/suspense é a minha cena, tal como vocês já bem sabem. Recentemente, em parceria com a Bertrand e a editora "Gosto de Ler", tive a oportunidade de sortear o primeiro volume da saga e fiquei muito, muito contente. Mal posso esperar pelo lançamento do próximo livro.

Pior livro: "O Grupo" de Mary McCarthy. É uma espécie de "Sexo e a Cidade" nos anos 60, um clássico portanto, mas penso que simplesmente não consegui entrar no "mood" da leitura.

Se tivesse que resumir o ano de 2019 em livros numa só palavra, seria "Bergman". Em duas "Sebastian Bergman". Foi "A" descoberta literária do ano e sabe Deus e todos os santinhos como a pessoa sobrevive sem ver o lançamento do sétimo livro à vista. José Rodrigues dos Santos também conquistou um lugarzinho no meu coração com aquela escrita que fascina e informa. Às vezes, exagera um pouquinho nos pormenores e torna-se seca, mas lê-lo é sempre muito enriquecedor. Romances históricos é com ele e não me importava nadinha de "limpar" a eito toda a colecção dele.

Não estabeleci nenhuma meta para este ano e ainda bem. Ando a arrastar um livro desde Dezembro e não é por ser mau, muito pelo contrário, simplesmente tenho sentido bastantes dificuldades de concentração (efeito Covid?!). Também gostava de voltar a escrever e tenho noção que a leitura roubou-me tempo para a escrita. E vejam...até agora, nem ler nem escrever. Enquanto isso, os livros por ler vão aumentando nas prateleiras, porque há promoções que não se podem perder. De maneiras que é isto.

📚📚📚

Segue abaixo a lista de todos os livros para que possam ler a sinopse e alguns comentários, porque eu sou uma fofa e faço-vos a papinha toda (ah! ah! ah!). AHHHH! Aproveito, também, para alertar que a Bertrand está com descontos até 50% em cartão, até ao dia 3 de Maio. Aproveitem!

quinta-feira, 19 de dezembro de 2019

DECOR | Paredes com vida


...com a Desenio!

Quando foi mesmo a última vez que falei convosco de decoração? Há long long long time ago eu sei. Mas hoje venho partilhar com vocês o mais recente "toque" que dei no apartamento e, quem sabe, se não será também uma boa oportunidade para vocês fazerem o mesmo.

Quem me vai conhecendo sabe que sou pessoa para perder a cabeça assim fácil por decoração. Adoro, adoro, ADORO! Mas o orçamento não estica, de maneiras que a casa vai-se decorando aos pouquinhos, sendo um work in progress constante.


Há muito que queria dar vida à parede da sala. Sempre a imaginei preenchida de quadros com ilustrações ou até fotos, à semelhança da parede do hall dos quartos. Pelo que esta colaboração com a Desenio não podia ser mais oportuna.

segunda-feira, 25 de novembro de 2019

BOOK | "O dia em que perdemos a cabeça" de Javier Castillo

Pois é, pessoas-fofinhas-que-adoram-devorar-livros, parece que a Bertrand assumiu a missão de desgraçar a nossa carteira. Ou então são mesmo uns queridos e não querem que nos falte a companhia de uma boa leitura. 

Isto para dizer que simmmmmmm, temos novamente mais dois dias (hoje e amanhã) de descontos imediatos que variam entre os 20% e 50% e inclui novidades!! Porque não aproveitar para comprar aquele livro que saiu recentemente e tanto queremos ou, então, aproveitar para comprar um livrinho para oferecer no Natal a alguém especial?  


leitura obrigatória para amantes de thrillers!!

Esta foi uma das minhas leituras deste ano. Um thriller que devorei em...três dias. Não consegui pôr travão! São 450 páginas desconcertantes, intensas e repletas de emoção. A forma alucinante como o autor consegue conduzir o leitor é, de facto, imprópria para cardíacos. O facto de ser narrado a três tempos aumenta bastante o mistério, contribuindo para uma leitura assim, compulsiva. Não há como não ler capítulo atrás de capítulo com a ânsia de juntar as peças todas do puzzle. Confesso que não gostei muito do final, depois de tanta emoção a fervilhar cá dentro soube assim a "poucachinho". Mas sem duvida que foi dos melhores thrillers que li.

E qual é a boa noticia? É que podem vir aqui e aproveitar o desconto de 20%, uma vez que raramente os livros novidade beneficiam de mais de 10%.
E qual é a má noticia? Provavelmente terão de comprar não um mas dois livros, porque este aqui, minhas j'amigas, é como vos digo...lê-se num ÁPICE!!


Nota: podem ler a sinopse e outros comentários aqui.


quarta-feira, 20 de novembro de 2019

BOOK | "Isto acaba aqui" de Colleen Hoover

Da última vez que falei de livros por estas bandas, fiz um pequeno ponto de situação literário. Estávamos em finais de Junho e contava com oito ou nove livros lidos, pelo que a previsão apontava para não atingir o mesmo número do ano passado. Não que ler seja uma competição, longe disso, mas gosto sempre de chegar ao final do ano e olhar para todos os livros que li e fazer uma pequena comparação/retrospectiva literária.

Nos entretantos, a pouco tempo do final do ano (simmmmmm!!, já estamos em finais de Novembro!!, tipo ali já com 2019 a dar as últimas!!, tipo COOOOM'assim?!!), posso dizer que é bem provável que ultrapasse a fasquia do ano passado.

Mas bom... Quero aproveitar o facto da Bertrand estar com descontos (imediatos) de 20% a 50% (inclui novidades!!) durante o dia de hoje (apenas!!), para partilhar uma das minhas leituras deste ano, por sinal, de uma autora que ultimamente tem sido bastante aclamada no seio das mais variadas booklovers.


Colleen Hoover conquistou um lugarzinho no meu coração, muito por conta da Lily, uma personagem encantadora e um grande exemplo de coragem e resiliência. "Isto acaba aqui" aborda um tema bem actual (infelizmente): violência doméstica. Colleen expõe o tema com muita clareza e profundidade. No fim, percebemos que o facto da autora ter vivido algo semelhante, pode ter contribuído para uma abordagem de grande mestria, culminando num romance poderoso e muito inspirador.
Não quero dar uma de spoiler, mas...ao longo do livro podemos achar que a questão resume-se à escolha entre um amor actual e um de infância, mas vai muito além e passa por escolher amar a si própria ou não. Confesso que o rumo da história apanhou-me de surpresa, o que me fez admirar ainda mais a personagem.
Vocês bem sabem que sou pessoa de policiais/thrillers, mas fiquei bastante embebecida com este romance.

Entretanto, a autora lançou recentemente um novo livro, o "Verity" (podem ler a sinopse aqui) e já são algumas as criticas que se podem ler por aí. Para quem preferir romances e leitura assim mais young adult, esta autora é uma boa escolha e sempre podem aproveitar o desconto online na Bertrand! Ou então, aproveitem para apostar na saga Bergman que é só a melhor série policial de sempre.


Nota: sinopse e outros comentários aqui.


quinta-feira, 17 de outubro de 2019

Joker - o filme do momento!


"O pior de ter uma doença mental é que as pessoas exigem que nos comportemos como se não as tivéssemos."

"Joker". O filme que revela pormenores sobre a origem de um dos mais famosos vilões da banda desenhada. Começo por dizer que tem tanto de ficção como de realidade. Uma realidade dura e crua da nossa sociedade. Uma sociedade que menospreza a doença mental, que não empatiza com aqueles que não têm privilégios sócio-económicos, que não tem compaixão para quem padece de determinada doença psicológica, uma sociedade que, no fundo, é responsável e também contribui para a loucura do ser humano. Porque ninguém nasce mau e como uma amiga disse "somos sociedade e genética".

É desta forma que o filme acaba por ser tão desconcertante. Porque toca na ferida, porque foca o lado negro das pessoas, porque é verdadeiro, porque mostra o quão frágil é a linha que separa a esperança da desistência, porque é o testemunho, ainda que fictício, de alguém que é vitima de uma sociedade que nada faz. O testemunho de um ser humano que se transforma num criminoso pelas mãos da própria sociedade em que se insere.

A par deste confronto com a realidade, temos a interpretação do actor principal que é simplesmente memorável. Majestosa, senhores, majestosa!!
Joaquin Phoenix - que perdeu 23 kgs para dar vida ao seu personagem - faz o filme!! Não há palavras suficientes que possam caracterizar a forma soberba como deu vida ao personagem e acredito piamente que é nele que se concentra todo o surubudu criado em torno do filme, alcançando assim um enorme êxito. Isto, porque, e muito sinceramente, o filme em si não vai muito além da critica à sociedade. Não tem factor surpresa, não tem reviravoltas, não tem...sei lá!, faltou ali qualquer coisa à história.

Cheguei a ler por aí que o filme incitava à violência. Eu tenho outro ponto de vista e vejo uma obra cinematográfica que implora da forma mais transparente possível para que sejamos mais tolerantes e mais empáticos. Sermos melhores uns com os outros é o que retiro deste filme.

E agora...SHIU, SHIU, SHIUUUUU!! Parece que já estou a ouvir "e o Óscar de Melhor Actor vai paaaaara...(ressoar dos tambores)...JOAQUIN PHOENIX!!!". Aguardemos.


quarta-feira, 18 de setembro de 2019

MAKE UP | Pele com aspecto bronzeado todo o ano?


sim, por favor!

Falemos de bronzer. O produtinho que nos dá aquele toque fantástico de praia sem ir à praia. Que nos deixa com aquele aspecto de pessoa saudável e que nos tira aquela cor de lula desmaiada. Que nos permite um look sun-kissed todo o ano. Sim, é mesmo possível trazer um pouco de cor ao rosto com a ajuda de um bom pincel e do produto certo.

A linha Terracotta da Guerlain é um clássico da marca, sendo muito bem referenciada pelas mais variadas beauty addicts, pelo que no meio de tantas opções não me foi difícil escolher para me estrear nisto dos bronzers. Sim, estrear. A pessoa está quase em 2020 e só agora é que decidiu arriscar neste departamento mais avançado da maquilhagem. Sempre tive noção que um pozinho destes faz toda a diferença na hora de finalizar a maquilhagem (para melhor!), mas por outro lado, também sabia bem que podia resultar numa desgraça completa no caso de não acertar no tom e/ou não aplicar de forma correcta. Queremos dar uma corzinha ao rosto, mas não queremos andar cor de laranja muito menos parecer umas palhacitas, num é verdade?  


Com uma mistura única de pigmentos para trazer à luz o brilho de uma aparência saudável, o Terracotta Light promete deixar a pele com um aspecto bronzeado respeitando o acabamento natural de cada tipo de pele.

O pó contém um cocktail de ingredientes activos para ajudar a pele a revelar energia, protegendo-a dos radicais livres e poluição, preservando, assim, a sua hidratação natural, garantindo conforto duradouro.
E o cheirinho? Delicioso, senhores, tãoooo delicioso!! Um cheirinho a pó talco mas assim em bom, conseguem imaginar? Notas de flor de laranjeira, fava tonka e baunilha com um toque de almíscares brancos que resultam numa essência de Terracotta maravilhosa.